quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Efeméride

Efeméride

Fez no dia 30 de Novembro de 2015, exactamente 47 Anos
que cá o Eu, estava na ESCOLA PRÁTICA DE ENGENHARIA em Tancos
recebendo das mãos do Capitão “Grilo” o DIPLOMA de Bombista e não só.

.Um curso onde aprendemos a calcular,  fazer, montar, armar, e vice-versa, Minas e Armadilhas “existentes na altura”.


Uma altura totalmente ultrapassada, comparada com a de hoje. Sem Drones, GPSs, Satélites e quejandos, a única tecnologia de "ponta" que era usada, era por vezes, a ponta dos bicos das nossas facas de mato ou a dos ferros afiados com que “picávamos” a picada.

O que existia de mais sofisticado, era um único detector de minas mas raramente usado.
Com um “cabo extensível” todo aberto, afastava a bobine de detecção cerca de 1 metro dos meus pés. Por causa do "barulho" reinante, exigia distanciamento do grupo para se encontrar um quase silêncio. Após uma grande concentração na escuta e suores frios, a expectativa era "quase sempre" defraudada, pois o resultado por vezes era a descoberta de um protector das botas, de uma chave e logo após a lata enferrujada das sardinhas, ou algo ainda mais estúpido.

 Sem dúvida que o mais eficaz era ainda a minha Berliet "Rebenta-Minas" carregada de sacos de areia por causa dos estilhaços, os nossos olhares atentos aos pormenores da picada e não só, e "as preces" para que todos passassemos ao lado da dita*.



 desta vez Não serve de exemplo, a posição da Minha G3


Recordo agora quando mostrei o Diploma ao meu Pai, que disse algo ao ver a minha Classificação,
que traduzido para os dias de hoje seria mais ou menos:

Não vás ao Médico, não.


Como se vê, pela nota final do Curso, Eu não brincava em serviço.


Com os meus 22 anos de idade, maluco “o quanto baste”, apesar dos incidentes já descritos no blogue**, recordo mesmo assim com saudades, estes
Bons Velhos Tempos.
Sem falsa modéstia, também recordo o que sentia quando “obrigado”, ostentava no dia-a-dia o Crachá (ou Insígnia) que todos nós -os finalistas- ganhamos.


ARGÚCIA E AUDÁCIA


Hoje (englobada no "altar da 2504") está exposta no
BAIXATOLA's BAR

ALUGA-SE
...a Medalha.
  (*) - Infelizmente, nem todos tivemos a mesma sorte.
(**) - Alguns contecimentos relacionados:
http://ccac2504.blogspot.pt/2013/02/tenho-1-parafuso-menosdesculpatenho-e-2.html
(Para navegar no Blogue, carregar em Mensagens Antigas)


_Nem de propósito_


Quando esta madrugada (cerca das 4 da matina) postei a “Efeméride” respeitante às Minas e Armadilhas, jamais sonhava que seria o tema de artigos que surgiram esta tarde, no Jornal i e no Jornal Sol.

O primeiro, com o título: Angola é um dos 11 países que ainda têm mais de 100 quilómetros quadrados de áreas com minas terrestres, segundo indica um relatório da International Campaign to Ban Landmines (ICBL), esta quinta-feira divulgado.




O segundo, com o título: A Rússia tem armazenado mais de metade do total de minas terrestres existentes no mundo, ao concentrar 26,6 milhões de artefactos explosivos antipessoal e anticarro, indica hoje um relatório internacional.


Lê-se no final do 1º artigo a propósito das minas...
Angola registou 11 mortos em 2014 (71 em 2013 e 34 em 2012), havendo indicação da existência de mortos por minas na Guiné-Bissau e Moçambique, embora não sejam quantificados.

É infelizmente esta, a triste e grave realidade.
 


Envia se quiseres, os teus comentários para: 
manuelmarquespimenta@gmail.com