sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Fala-se em Extinção dos COMANDOS

Extinção dos COMANDOS ?

Direi bem Alto:

NUNCA
Sou totalmente Contra a extinção dos Comandos
porque depois tinha de levantar o cu do sofá

para Mudar os Canais

Quanto aos outros:


Sou de opinião que devem continuar, e iguais ao de sempre.





A ser verdade, nada de excessos,
como os que se tem anunciado.
 


Mas se fosse assim, acho que seria um exagero.

 Nem 8, nem 80 



Lembramos a todos que queiram colaborar, o nosso e-Mail:

domingo, 16 de outubro de 2016

Dedicado ao Furriel MACHADO, nosso VAGOMESTRE.


Vagomestre, ou vago-mestre?

É que muitas vezes, quando lhe perguntávamos: oi Machado, o que consta no cardápio? Obtínhamos como resposta:

É pá!...Tenho uma “Vaga” ideia. Mas o melhor é perguntares ao cozinheiro.
********   ********

Existem neste blogue, várias referências a este nosso Amigo.

das quais destaco: A letra da famosa canção “quase um Hino”, dedicada a Si e à Cozinha no Dange, que até então Eu cantarolava com diversas falhas, por não a recordar na totalidade, mas que o furriel Vítor “nosso Transmissões” nunca esqueceu e um dia, nos enviou.
++++++++

Já consta no blogue desde 6 de Agosto de 2013
E reza assim:

Abre as portas e janelas da tua casa, e "Canta com garra"


Finalmente a letra da canção que glorificava a "nossa Cozinha" no DANGE



Lembra-te da música da canção

- A DESFOLHADA -

e canta (alto e em bom tom)



 ...   ***   ---

Arroz cozido - peixe estragado

Era o que nos dava - o bom Machado

E em cada dia que se passava

A bela ementa - jamais mudava



É grão de bico - com bacalhau

E os ciclistas - a dar com pau

E a feijoada - com dobradinha
Fazia cantar a barriguinha

  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá - Lá lá lá -Lá…
  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá
  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá - Lá lá lá -Lá…
  Lá lá lá - Lá – Lá - Lá – Lá

E a Kitonga - com tabuínhas
Parecia a casa - da Mariquinhas
Não houve leilão nem abaixo assinado
Mas era ali que - se cantava o fado

Pobre Kitonga - foi o teu fim
Quando a malta - foi pr’ó Fortim
Com um sorriso - e heroísmo
Deixámos pra traz o paludismo

  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá - Lá lá lá -Lá…
  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá
  Lá lá lá lá - Lá lá lá lá - Lá lá lá -Lá…
  Lá lá lá - Lá – Lá - Lá – Lá

(   Bis   )

Acho que o sorriso normalmente presente no Furriel Machado irá sofrer um forte abalo, quando, a somar a este “Hino” que acabaste de “Cantarolar”, ler estas “quadras soltas” que o então Condutor Aguiar recentemente nos enviou.



São quadras que retirou de uma das suas Sebentas.




Dia 6 de Dezembro de 1969.



I



Às seis da manhã toca a alvorada,

A caserna fica barulhenta com todos de pé;

A seguir na formatura há a chamada

Para os que querem, tomar café.



II


E nova ordem para formar,
Lá vem o sargento-dia autoritário;
A malta fala e manda-nos calar
E assim ordena, o reforço diário.

III

São 13 horas, queremos almoçar
O tacho: arroz com peixe, é dia de fome;
O vinho não presta, há que reclamar
O pão é duro, e ninguém o come.

IV

O jantar, todos pensam ser melhor,
Mas por azar, são feijões e peixe frito;
Todos dizem: Isto está cada vez pior
E ainda dizem, que Eu é que sou esquisito!